Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Parte 38

(continuação...) Nos tempos seguintes, o mais excitante que aconteceu nas nossas vidas foi o resultado do meu teste de Mecânica dos Solos. Tanto eu como o João alcançámos as melhores notas da turma, com 17 e 18 valores respectivamente. O facto de estudarmos juntos levou a que as nossas respostas fossem maioritariamente semelhantes, o que levou o professou a comentar isso na primeira aula após o lançamento das notas. Por um momento, o professor parecia que se estava a inclinar para (...)

Parte 37

(continuação...) - Então? - pergunto, ansioso. - Como te sentiste com a Sofia e o João pensarem que vivemos juntos? - Normal. Qual é o problema? - O problema é que temos 20 anos e há um mês tu nunca tinhas tido uma namorada, - E então? - E então, não te incomoda as pessoas pensarem que vivemos juntos? - Não. - A sério? - Claro que não me incomoda. Eu gosto de ti, somos namorados e somos felizes. Tou-me borrifando para o que os outros pensam. A Luísa olha para mim, (...)

Parte 36

(continuação...) Acordo às 7 da manhã com o despertador. A Luísa está ainda a dormir, a cabeça dela repousada em cima do meu peito. Tenho o braço dormente. Quando o tento tirar de debaixo dela, ela resmunga baixinho e vira-se para o outro lado. Levanto-me e vou para a casa de banho. Enquanto escanhoo a cara e tomo banho, revejo a matéria para o teste de logo e fico bem disposto e confiante. Saio de casa animado, em direcção à faculdade. Uma vez lá, sigo directo ao bar, como (...)

Parte 35

(continuação...) O resto do fim de semana passa sem grandes notícias. No Domingo o hospital também não me liga e, quando telefono a questioná-los, informam-me que aos fins de semana os administrativos são muito menos, pelo que o serviço de informações por chamada não é garantido. Na terça-feira, ligaram do hospital a informar que o meu pai já está consciente e lúcido, com memória do acidente, com noção de tempo e de espaço. Devido às restrições impostas pelo COVID, (...)

Parte 34

(continuação...) Meia hora depois, a Mariana dá um toque e descemos. A Fátima já está com ela, pelo que seguimos para casa da Sofia. Quando lá chegamos, o João está à porta no carro dele. Seguimos para o Arcada e comemos enquanto conversamos alegremente. O meu novo penteado está na ordem do dia. Recebo elogios de toda a gente e isso anima-me. Discutimos também os temas de cada um na Universidade e as meniinas fazem um pouco de conversa entre elas, o que me dá algum espaço (...)

Parte 33

(continuação...) - Se calhar ainda fico aqui a estudar mais um pouco... - agora que embalei não me apetece muito parar. Depois amanhã custa mais a arrancar novamente. Como hoje é sábado, posso dormir até mais tarde amanhã. - OK giraço. Quando fores para a cama não me acordes, então. Senão violo-te! - diz-me ela, rindo-se e beijando-me carinhosamente - Até amanhã! - Até amanhã, Luísa. Dorme bem. Bom descanso. Volto a pegar nos apontamentos e concentro-me novamente. (...)

Parte 32

(continuação) Acordo e olho para o relógio. De um salto, levanto-me da cama, assustando a Luísa, que ainda dormia. Por um segundo, tinha-me esquecido que ela estava na cama, quando acordei. - Que se passa? - pergunta ela, estremunhada - Olá. Bom dia. Desculpa... - Assustaste-me... Que se passa? - É meio dia e um quarto... - E então? Então tenho de ir cortar o cabelo... - A sério? Ai Tiago, relaxa amor. - Como assim? Não fecha à uma da tarde? - Não! Tem horário mais alargado. (...)

Parte 31

(continuação...) Chego à residência e subo até ao meu quarto. Entro, dispo-me e enfio-me na cama. Hoje nem sequer me apetece ouvir música. Estou feliz porque tiraram o meu pai do coma induzido, mas tenho a cabeça completamente feita num oito. O jantar com o meu irmão está a deixar-me preocupado. Não pelo problema do seguro, mas pela promessa que o meu irmão me "obrigou" a fazer. Entendo a preocupação dele com o meu bem-estar e sei que tem de haver uma contrapartida. O meu (...)

Parte 30

(continuação...) No dia seguinte, vou logo de manhã para o hospital, bem cedo. Dirijo-me  à recepção, onde me informam que não sabem de nada, pelo que tenho de aguardar na sala de espera por novidades. Telefono à Susana e dez minutos depois, ouço o meu nome a ser chamado no intercomunicador, para ir a um gabinete. Procuro o gabinete e, quando entro, está lá o médico que operou o meu pai. Informa-me que ele já foi retirado do coma induzido, mas que o tempo para acordar varia (...)

Parte 29

(continuação...) Saímos do Shopping e entramos no carro da Mariana, em direcção a casa da Luísa. Vou no banco de trás encostado ao vidro e a Luísa a conversar animadamente com as meninas, com a cabeça entre os bancos. Estacionamos e a Luísa dá-me a mão depois de sair do carro. Olho para ela e ela pensa que é demais e tenta recolher, mas eu agarro a mão, entrelaço os nossos dedos e sorrio. Ela sorri de volta e vamos assim até casa dela. Chegados a casa dela, subo em último (...)